Google+ Pictuelle Photography: Traças virtuais

25 de novembro de 2011

Traças virtuais

Traças virtuaisVelhos rascunhos
Coisas que nem mesmo quem os escreveu
lembra o que é

Afogam-se entre palavras
E as traças que os comam
mordam...

Mas virtualmente
Nada disto acontecerá
O mundo sem suas realidades
Suas verdadeiras realidades
não pode ser o mesmo

não é o mesmo

Mas mesmo assim
É difícil preferir as traças
Mesmo que eu saiba que isto é negar
A verdade.


Nota do autor:

Ah, que teia de aranha eu acabo de escrever. Mas digo que isto é a mais pura realidade (mesmo). Talvez a maioria que leia o poema (não, não é poesia) não entenda absolutamente nada das palavras que, juntas, parecem não ter o menor nexo.

É um poema, como já relatei. Fala de um sentimento dominador. Eu conheço este sentimento, mas não sei seu nome. Aos que entenderem e quiserem me dizer que sentimento é este, obrigado. Mas por enquanto, só enquanto não sei o nome deste sentimento, o chamo de senscritivavilização. Nome feio este, hein? Mas é a realidade (mesmo).

Se você quiser saber mais sobre o que se sente quando está com senscritivavilização, observe a imagem presente no post e desvende! A senscritivavilização pode ser o que você quiser, mas não para mim.

Agora, falando com um pouquinho só de nexo, quero dizer que esta é a segunda prosa da meia-noite e que a primeira foi o maior sucesso. Muitos visitantes viram logo nas primeiras 5 horas de postagem. Madrugadores que gostam de uma boa prosa são assim mesmo!

Obrigado.