Google+ Pictuelle Photography: Os sapatos vermelhos

29 de julho de 2012

Os sapatos vermelhos

Sapatos vermelhos brilhantes
Cara pintada de branco
Cabelo, peruca engraçada
Já sabe, lá vem palhaçada.

Aparece o palhaço
É alegre, dá abraço
Faz fom-fom com o nariz
Que esconde a cicatriz.

Ele imita a bailarina
Numa moto que empina
Ele imita um elefante
Num cavalo, galopante

Mas palhaço nunca imita
Um coração feito o dele
Pois palhaço nunca chora
Chora a gente, ele não.

E é quando a noite segue
Que os sapatos ficam foscos
Perde brilho e sai do pé
Do palhaço Picolé.

E o pó branco acena à face
Que habitava até então
Quan-du-ma-go-ta-sal-ga-da
Fala a voz do coração.

Embaixo das fantasias
Mora gente que precisa
De alguém que o faça alegre
Que o faça um sonhador.


Nota do autor:

Satisfeito com a produção, este é mais um poema meu que já foi pros favoritos. Acho que ultimamente estou classificando muita coisa como favorita. Talvez devo ser mais rígido na seleção. Mas não acho que esteja sendo injusto.

Antes de escrever o texto, fiz uma coisa inédita: comecei pelo título. Nunca, nunca faço isso. Acho que o melhor processo é escrever e depois, com base no tema escrito, formular o título. Acho que os melhores escritores preferem fazer desta forma. Não é por presunção que estou dizendo isto… Mas penso que escrever o título primeiro é um ato um pouco inconsciente. Neste caso, fui  inconsciente pelo menos uma vez na vida.

A ideia de escrever algo intitulado com qualquer coisa desde que tivesse “sapatos vermelhos” no meio tem mais de um mês. Não aguentando mais de curiosidade, queria saber como ficaria um poema com esse título. O jeito era compor. E me satisfiz com o resultado.

Bye!

Humor: Smiley de boca abertaSmiley mostrando a língua