Google+ Pictuelle Photography: Soneto qualquer

21 de junho de 2014

Soneto qualquer

IMG_1455


Nos teus olhos vejo aquela menina
Que andava outrora pela escuridão
Com olhos acesos, vendo a neblina
Pés apressados perdidos no chão

Tempo dourado, são cinzas ao vento
Teu ser presente é mais que a ilusão
Pra longe se foi num breve acalento
Do pensamento, embora digas não

Nas trevas, chamas, do teu mais profundo
Volta, não foge do teu sonho em vão
Revela onde escondes teu sim, teu não

Amo-te apenas, simples sentimento
Dos teus pés distantes, teu verdejar
Um pouco de ti já vejo no olhar



Nota de rodapé
Ainda não acredito que esse soneto tenha saído de mim. Um soneto!! Lembro-me de quando menor, lia Mário Quintana, A Rua dos Cataventos era o nome do livro, deparei-me com o título “Soneto VIII”. Fiquei pensando de que diabos podia isso se tratar. Analizava o dito cujo com mais atenção, imaginando por que recebia tal nome.

Nunca descobri por conta própria, mas hoje entendo. Trata-se de versos decassílabos dispostos em dois quartetos e dois tercetos, secessivamente. E ainda não acredito que eu tenha feito um… E com esquema ritmico!

Admito que foi o escrito mais trabalhoso desses que venho a publicar aqui, mas foi o que mais me agradou. :)
Até breve,